domingo, 11 de setembro de 2011

Segundo o Calendário Litúrgico, hoje Celebramoso XXXIV Domingo do Tempo Comum

Por que e até quando se deve perdoar? Esta é uma preocupação presente na liturgiade hoje e também em nossa vida cotidiana. A Páscoa em Jesus se manifesta nas pessoas  e grupos que sabem perdoar e se reconciliar. O Exemplo disso, é o própio Jesus.

LITURGIA DA PALAVRA:

As leituras nos apresentam a necessidade do perdão e da vivência fraterna com todos. Jesus, enviado pelo Pai, é fonte de vida e caminho da salvação.

PRIMEIRA LEITURA:

Leitura do Livro do Eclesiástico:

33O rancor e a raiva são coisas detestáveis; até o pecador procura dominá-las.
28,1Quem se vingar encontrará a vingança do Senhor, que pedirá severas contas dos seus pecados.
2Perdoa a injustiça cometida por teu próximo; assim, quando orares, teus pecados serão perdoados.
3Se alguém guarda raiva contra o outro, como poderá pedir a Deus a cura? 4Se não tem compaixão do seu semelhante, como poderá pedir perdão dos seus pecados? 5Se ele, que é um mortal, guarda rancor, quem é que vai alcançar perdão para seus pecados?
6Lembra-te do teu fim e deixa de odiar; 7pensa na destruição e na morte, e persevera nos mandamentos.
8Pensa nos mandamentos, e não guardes rancor ao teu próximo.
9Pensa na aliança do Altíssimo, e não leves em conta a falta alheia!

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.

SALMO RESPONSORIAL:

— O Senhor é bondoso, compassivo e carinhoso.
— O Senhor é bondoso, compassivo e carinhoso.

— Bendize, ó minha alma, ao Senhor,/ e todo o meu ser, seu santo nome! Bendize, ó minha alma, ao Senhor,/ não te esqueças de nenhum de seus favores!


— Pois ele te perdoa toda culpa,/ e cura toda a tua enfermidade;/ da sepultura ele salva a tua vida/ e te cerca de carinho e compaixão.

— Não fica sempre repetindo as suas queixas,/ nem guarda eternamente o seu rancor./ Não nos trata como exigem nossas faltas,/ nem nos pune em proporção às nossas culpas.

— Quanto os céus por sobre a terra se elevam,/ tanto é grande o seu amor aos que o temem;/ quanto dista o nascente do poente,/ tanto afasta para longe nossos crimes.

SEGUNDA LEITURA:

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos:

Irmãos: 7Ninguém dentre vós vive para si mesmo ou morre para si mesmo.
8Se estamos vivos, é para o Senhor que vivemos; se morremos, é para o Senhor que morremos. Portanto, vivos ou mortos, pertencemos ao Senhor.
9Cristo morreu e ressuscitou exatamente para isto: para ser o Senhor dos mortos e dos vivos.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO:

Eu vos dou este novo mandamento, nova ordem, agora, vos dou: que, também, vos ameis uns aos outros, como eu vos amei, diz o Senhor (Jo 13,34)

O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 21Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?”
22Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados.
24Quando começou o acerto, levaram-lhe um que devia uma enorme fortuna. 25Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida.
26O empregado, porém, caiu aos pés do patrão e, prostrado, suplicava: ‘Dá-me um prazo, e eu te pagarei tudo!’ 27Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida.
28Ao sair dali, aquele empregado encontrou um de seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’.
29O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: ‘Dá-me um prazo, e eu te pagarei!’ 30Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia.
31Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo.
32Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: ‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. 33Não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’
34O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida.
35É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”.

- PALAVRA DA SALVAÇÃO

- GLÓRIA A VÓS SENHOR!

HOMILIA:

Mateus nos apresenta esta parábola sobre o perdão como o núcleo do Sermão de Jesus sobre a Igreja. Diante das palavras de Cristo sobre a correção fraterna e a reconciliação, Pedro pergunta: “Quantas vezes devo perdoar se meu irmão me ofender? Até sete vezes?”
Nesta pergunta do apóstolo podemos ver o conhecimento dele sobre a necessidade de perdoar sempre. Tendo em vista que o número sete, segundo as Sagradas Escrituras, significa perfeição. Com este nobre pensamento, Jesus quer que os discípulos avancem para águas mais profundas. Ele não põe limite para o perdão: “Não te digo até sete, mas até setenta vezes sete!”
O homem – sendo imagem e semelhança de Deus – está vocacionado a viver o perdão d’Ele, por amor às criaturas. Assim como Deus é amor, misericórdia e perdão para com os homens, assim também deve ser o homem para com os seus irmãos.
A parábola que Jesus conta a Pedro é uma forma pedagógica para esclarecer a Sua resposta. Assim como o perdão de Deus não tem limites, assim deve ser o meu e o seu perdão. Se nós não aprendermos a perdoar os nossos irmãos, Deus virá e nos chamará de miseráveis e então nos mandará para fora do Seu Reino como aquele empregado que não soube perdoar ao seu semelhante.
Existem nos dias de hoje muitos que dizem: “Perdoo, mas não esqueço!” Como cristão, qual tem sido a sua posição, diante do infinito perdão de Deus, no trato com os seus semelhantes? Jesus deu o exemplo. Na hora de ser morto pediu a Deus Pai que perdoasse a Seus assassinos (cf. Lc 23,34).
Será que sou capaz de imitar a Jesus? Muitas vezes queremos que Deus nos perdoe pelos nossos pecados. Mas não queremos perdoar aos outros. Como é que o Todo-poderoso nos perdoará se nós não o fazemos? Veja o que Jesus disse: “É isso o que o meu Pai, que está no céu, vai fazer com vocês se cada um não perdoar sinceramente o seu irmão”.
O Evangelho de hoje recorda-nos a necessidade de vivermos o eterno perdão. Perdoar significa desculpar. E desculpar significa justificar-se de alguma falta cometida. Então, quando você perdoa, você desculpa a falta ou a falha cometida por alguém em relação a você. O ato de perdoar vai além do nosso entendimento humano; sabe por quê? Porque ele é divino, vem do alto, nasce no coração de Deus e somente por meio do Espírito Santo pode atingir o fundo do nosso coração, local onde tudo se faz e se desfaz, para que, a partir daí, possamos ter a graça santificante de perdoar aos nossos irmãos assim como Deus, em Cristo, nos perdoou.
Vejamos o que nos diz o Catecismo da Igreja Católica: “Não está em nosso poder não mais sentir e esquecer a ofensa; mas o coração que se entrega ao Espírito Santo transforma a ferida em compaixão e purifica a memória, transformando a ofensa em intercessão”.
Estamos vivendo e sentindo a profundidade dessa frase? Pois é, para que nós, na nossa pequenez, consigamos perdoar dessa maneira é de suma importância que antes tenhamos sentido no fundo do nosso coração a plenitude do amor de Deus Pai! Sem a experiência desse amor tão grande é impossível perdoar.
Somente repletos e encharcados “por” e “nesse” amor poderemos verdadeiramente perdoar do fundo do coração.
Você precisa pedir em oração que Jesus o ensine a amar cada vez mais a Deus e ao próximo como a si mesmo. Acredite, meu irmão: é só na oração que existe a verdadeira comunicação com o Senhor. E a oração cristã nos conduz ao perdão dos inimigos.
A oração transforma o discípulo, configurando-o a Jesus e é exatamente nesse momento que, perdoando, estaremos dando testemunho de que, em nosso mundo, o amor é mais forte que o pecado e que o perdão é a condição fundamental da reconciliação dos filhos de Deus com seu Pai e dos homens entre si.
O perdão é o ponto mais alto da nossa oração e o dom da oração só pode ser recebido por aqueles que estão em consonância com a compaixão de Deus. Para perdoar é necessário compadecer-se e, para compadecer-se, é necessário amar incondicionalmente a Deus e ao próximo. Não há limite e nem medida para o perdão que é essencialmente divino.
Pai, predispõe meu coração para o perdão. E que eu esteja sempre disposto a perdoar e a querer viver reconciliado com meu semelhante. Senhor Jesus, ensinai-me a graça de perdoar sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, leremos todos com muito carinho e pediremos que as bençãos de Deus possam cair sobre você e que a Mãe do Bom Conselho possa lhe dar sempre bons conselhos para seguir seu caminho em paz...
Muito obrigado.